quinta-feira, 23 de março de 2017

Memórias para a fuga

[arquitetura 22] As memórias de um espaço fixado pela fotografia são as memórias da própria vida. Quando olhamos para trás, percorridos centenas de milhar de quilómetros, vemos um espaço imenso, difícil, cada vez mais difícil, de objetivar. Trazemos um conjunto vasto de fotografias, tentamos fixar o que foi essa grande e única viagem. O que fica nas imagens não são os lugares que registámos, mas uma complexa realidade de espaço-tempo em “fuga”. Procuramos o espaço que habitamos e o retrato de uma cultura. Encontramos o desenho de um percurso civilizacional vertiginoso, de afastamento da natureza, num perigoso limbo de apagamento das raízes do nosso próprio ser.
 
 

1 comentário:

  1. Um pouco à la Mia Couto diria o espaço que habitámos e desabitámos.

    ResponderEliminar