sábado, 29 de dezembro de 2018

Viagem

[depois do tempo 06] Estes são lugares para viagem mas não são destinos turísticos, monumentos. Podem ser uma enorme diversidade de sítios, de espaços marcados pela ação humana, bem com paisagens onde praticamente não é percetível a pegada da nossa presença. Não são lugares fáceis, ou simples. São, muitas vezes, lugares de jogo e descoberta, são o entrar dentro de uma significação ambígua, são como a conquista transparente de um território. É a descodificação de gestos primordiais, de uma apreensão humana da terra, da paisagem. É a construção das cidades contra a “hostilidade” do campo aberto, da Natureza. Lugares para o entendimento do “outro”, nas fragilidades refletidas em nós próprios. [Esta é a última publicação da série depois do tempo].


sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Memória

[depois do tempo 05] As memórias de um espaço fixado pela fotografia são as memórias da própria vida. Quando olhamos para trás, percorridos centenas de milhar de quilómetros, vemos um espaço imenso, difícil, cada vez mais difícil, de objetivar. Trazemos um conjunto vasto de fotografias, tentamos fixar o que foi essa grande e única viagem. O que fica nas imagens não são os lugares que registámos, mas uma complexa realidade de espaço-tempo em “fuga”. Procuramos os lugares que habitamos e o retrato de uma cultura. Encontramos o desenho de um percurso civilizacional vertiginoso, de afastamento da natureza, num perigoso limbo de apagamento das raízes do nosso próprio ser.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Fotografias

[depois do tempo 04] Esta é uma forma de fotografar. Aqui, por um lado, a fotografia é um modo de relação com a paisagem, um ato performativo, quase uma dança de silêncio, pés no solo, cabeça ao alto. Essa mesma fotografia, por outro lado, é um veículo de transporte e comunicação. As imagens deixam de ser “objetos” isolados, para se aproximarem de uma ideia de alfabeto, de frase, de texto composto, mensagem que existe fora da sua própria forma, do seu desenho. É a fotografia como pensamento reflexo da matéria. Mais do que representam, as fotografias são a vertigem do tempo contemporâneo, de uma urgência de fusão entre arte, poesia e ciência, mundo quântico, partículas explodidas em viagem aleatória pelo cosmos. Nós próprios somos as partículas de uma muito efémera união de átomos, complexa arquitetura de vida. E o que trazemos de novo aqui, que não conhecemos ainda de outros planisférios, é essa arquitetura vertida em vida breve. Construímos o nosso espaço, fazemos as cidades, que são a nossa própria condição, hoje, de sobrevivência, antes da partida em viagem sem regresso.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Um dia

[depois do tempo 03] A madrugada amanhecera escura e chuvosa. 4 de abril de 2018. A jornada prometia ser pouco rentável. A luz, o céu “carregado”, simultaneamente, era um apelo, era a explicação dessa água abundante em terras do Minho. Correntes vigorosas, os rios fora do seu leito. Eram 7h10m quando fiz a primeira fotografia, já em território vimaranense; a última seria registada às 19h19m já ao anoitecer. Neste intervalo de 12 horas e oito minutos fiz 19 momentos de fotografias de duração variável, com 18 pausas entre eles. As pausas eram devidas a diversos motivos como a chuva, a análise da cartografia, a deslocação em automóvel entre pontos para registo fotográfico, ou alimentação e descanso. Se somarmos os 19 momentos em que decorreu o trabalho fotográfico obtemos uma duração total de 8 horas e onze minutos (no total, as pausas perfizeram 3 horas e 57 minutos). Relativamente às quantidades de fotografias feitas em cada momento, estas variaram entre as 570 e as 18. No total, neste dia, foram feitas 3.386 imagens. Ao contrário das expectativas iniciais, foi um dia particularmente intenso. Se dividirmos o conjunto de todas as fotografias pelo tempo de trabalho obtemos um rácio de 6,89 fotografias por minuto, ou uma fotografia por cada 8 segundos e 70 centésimos.
Esta jornada de mapeamento fotográfico do território de Guimarães foi realizada no âmbito do trabalho Arte da Terra, coordenado pelo Laboratório da Paisagem. As horas apresentadas são aquelas que constam dos ficheiros de imagem gerados pela câmara fotográfica. Foi, até ao presente, o dia em que fiz mais fotografias num intervalo de 24 horas.


terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Memória descritiva

[depois do tempo 02] Os três núcleos de fotografias são independentes, mas estabelecem relações topológicas, e temporais, entre si. O primeiro núcleo é composto por um conjunto de 16 dípticos. São fotografias feitas em diferentes pontos do concelho de Guimarães, em que cada conjunto de duas imagens é captada no mesmo lugar mas em tempos diferentes, quase sempre com uma década e meia, aproximadamente, de intervalo. As únicas fotografias da cidade de Guimarães apresentam um hiato temporal de 31 anos.
Na parede oposta a este primeiro conjunto são apresentadas cinco linhas com um número variável de imagens. São fotografias de diferentes aspetos do território do município de Guimarães. A linha mais elevada foca o território do concelho, lugares agrícolas de mais baixa densidade populacional. A seguir temos o centro histórico da cidade, sobretudo ao redor de algumas das praças mais emblemáticas da urbe antiga. A linha intermédia aborda dois lugares emblemáticos da paisagem vimaranense, a Citânia de Briteiros e a Penha. São como que dois lugares fundacionais de todo este povoamento humano. Na linha seguinte voltamos à cidade, desta vez para observarmos alguns aspetos próximos do centro muralhado, mas que são exteriores a este perímetro. A linha inferior apresenta algumas semelhanças com a primeira, pois ambas abordam o espaço agrícola, mas ao contrário daquela, esta mostra perspetivas próximas do centro da cidade, não apenas de uma ruralidade em perda, mas também de parques da cidade.
Um terceiro núcleo “fala” um pouco das metodologias de trabalho num processo de mapeamento fotográfico da paisagem, seja ela natural, rural ou urbana. Este último núcleo subdivide-se em três blocos. Um primeiro bloco conta-nos a “história” de um único dia de trabalho fotográfico e são mostradas a totalidade das 3386 imagens realizadas nessa ocasião. O segundo bloco, ao centro, mostra três linhas de levantamentos fotográficos, bastante diferenciados, feitos em 1987, 1996 e 2003. Segue-se um mapa da área do concelho de Guimarães com a implantação de todas as fotografias aí realizadas em mais de 30 anos, um mapa de Portugal com a implantação de todas as fotografias feitas em território continental. Por fim são também mostrados alguns textos breves de amarração de todo este trabalho. Seguem-se ainda algumas fotografias de processo da construção da exposição. Um último bloco já não é apenas relativo a Guimarães mas às metodologias de trabalho associadas à forma como é encarado este modo de usar a fotografia. São cinco colunas, em que uma primeira, à esquerda, é sobre o caminhar, a segunda é sobre o desenhar, ou fotografar, depois temos imagens soltas de vários trabalhos desenvolvidos ao longo das duas últimas décadas. Nas duas últimas colunas, o processo de arquivo antecede a  revelação aspetos informais da comunicação deste trabalho sobre o espaço português, são as exposições e os livros.






domingo, 23 de dezembro de 2018

Depois do Tempo

[depois do tempo 01] A exposição Depois do Tempo percorre um hiato temporal de 30 anos, desde uma primeira fotografia, feita em abril de 1988, até ao presente. Procurámos descrever uma cidade e a sua paisagem envolvente. Sobre o solo está desenhada uma teia evolutiva de complexidade crescente. Vislumbramos possibilidades de sentido em que tempo, espaço e os fazeres humanos se entrelaçam. É o diálogo entre matérias e formas, aparentemente desconexas, para mostrar Guimarães e o seu território circundante. É um modo de revelar processos de relação com a terra, com as tecnologias de captura da imagem pela fotografia, pelas manualidades associadas aos processos de comunicação de conceitos, linhas de pensamento. É o discurso construído entre a imagem da cidade e uma forma possível de a representar.
A exposição é composta por uma introdução e três núcleos de fotografias. A introdução é composta por duas fotografias, feitas sensivelmente do mesmo lugar, do alto da penha, com uma vista abrangente sobre a cidade de Guimarães e o seu território envolvente. Estas duas imagens estão separadas por um hiato temporal de 22 anos, e por uma tecnologia que evoluiu do analógico para o digital. A exposição estará patente até ao dia 30 de dezembro de 2018.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Cemitério de Barrancos

[procurar um país 160] Quase como uma última fotografia. As formas humanas, soubemo-lo muito depois, construíram a linguagem. Os nomes dados a tantas coisas. Esta é a terra que nos gerou, devemos-lhe esse tributo de gratidão, de respeito, será a base do futuro da vida. [Esta é a última publicação da série Procurar um País].

144. Cemitério de Barrancos. 1995